Como Aceitar as Diferenças de Outras Pessoas

Todo mundo é diferente e nós tendemos a aceitar isso. No entanto, lidar com essas diferenças pode ser difícil, principalmente quando elas nos incomodam. Alguns podem argumentar que não precisamos aceitar ou tolerar as diferenças de outras pessoas. Mas é possível controlar, unificar e padronizar todos?

A resposta, claro, é não.

É impossível unir todos. Quer estejamos falando sobre religião, personalidade ou preferências de cobertura de pizza, as pessoas sempre serão diferentes. As chances são de que não aceitar essas diferenças tornará sua vida amarga e descontente. Aceitar os outros por quem eles são, no entanto, pode fornecer novas ideias e tornar sua vida mais gratificante.

Neste artigo, veremos as diferenças individuais e como aceitá-las.

Como Aceitar as Diferenças de Outras Pessoas

O Paradoxo da Individualidade e Aceitação

Os slogans celebrando a individualidade e as diferenças estão por toda parte, desde a citação de A. A. Milne "As coisas que me fazem diferente são as que me fazem" ao conselho geral de "seja você mesmo!".

Embora muitas pessoas se esforcem ao máximo para se encaixar na multidão, também somos rápidos em apontar as coisas que nos tornam únicos e especiais (mesmo quando não o fazem). Seja gostando de uma banda obscura ou sendo franco, geralmente gostamos de pensar que é algo único para nós. E não é surpresa que pensemos assim quando a individualidade e a diferença são valorizadas em nossa sociedade, pelo menos na superfície.

Mas essas mesmas características que prezamos em nós mesmos podem ser algo que desprezamos, zombamos ou julgamos nos outros. Quando alguém gosta de uma banda obscura, podemos considerá-la uma enigmática. Quando alguém é franco, podemos achar que é ignorante ou grosseira. Isso também é natural.

Embora a individualidade seja frequentemente valorizada, os seres humanos ainda são seres sociais que gostam de se sentir conectados e incluídos. E uma das maneiras mais fáceis de se sentir próximo de alguém é criar um inimigo comum.

Julgar uma característica em outra pessoa enquanto pensa que ela nos torna especiais não necessariamente nos torna hipócritas. Claro, isso não é legal. As pessoas podem ter razão em chamar você de acordo com seus padrões duplos.

Mas, no final, é apenas outro tipo de viés egoísta. Alguns psicólogos definem isso como qualquer viés cognitivo que mantém e aumenta nossa autoestima. Ao marcar algo “bom” em nós mesmos, mas “ruim” nos outros, somos capazes de manter uma autoimagem positiva. E há uma razão pela qual grande parte da literatura de autoajuda é sobre aumentar a autoestima.

Porque é Difícil Aceitar Diferenças?

Se a individualidade é valorizada, por que é tão difícil aceitar que as pessoas são diferentes? Pensar que estamos sempre certos e que os outros estão errados em manter nossa autoestima é apenas uma parte disso.

Outro motivo pode ter algo a ver com a necessidade de controle em nossas vidas. Como a psicóloga Lauren Leotti e seus colegas escrevem em seu artigo sobre controle:

"... a percepção de controle não é apenas desejável, mas é provavelmente uma necessidade psicológica e biológica".

Os seres humanos, especialmente aqueles que diferem de nós, são imprevisíveis e difíceis de controlar. E assim, nossa necessidade de controlar nosso ambiente - que inclui outras pessoas - pode dificultar a aceitação de pessoas que não se comportam da maneira que queremos.

Certamente, nossos preconceitos também desempenham um papel importante. Muitas pessoas gostam de pensar que estão livres de preconceitos ou que seus preconceitos são justificados. Mas mesmo quando nossos preconceitos se baseiam em algumas experiências em primeira mão, eles não são necessariamente verdadeiros e nos impedem de aceitar outras pessoas.

Por exemplo, posso pensar que todas as loiras são burras que só estão interessadas em moda e aparência, porque todas as loiras que conheci são exatamente isso. Quando encontro uma loira que ainda se interessa por moda e beleza, mas também se destaca academicamente, terei dificuldade em aceitá-las por causa do meu preconceito.

Muitas vezes, nossos preconceitos não são baseados em experiências de primeira mão, mas são transmitidos a nós por nossa família ou sociedade.

O fato é que, no nível mais básico, preconceitos e estereótipos são simplesmente categorias mentais. Como o psicólogo Gordon Allport escreve no livro The Nature of Prejudice:

“A mente humana deve pensar com a ajuda de categorias. Uma vez formadas, as categorias são a base do preconceito normal. Não podemos evitar esse processo. A vida ordenada depende disso”

É isso que faz com que se livrar dos preconceitos e aceitar as diferenças seja tão difícil. Essas categorias e padrões são frequentemente tão arraigados em nosso pensamento que é preciso muito esforço consciente para mudá-los, mesmo quando adquirimos experiências que contestam nossos preconceitos.

Porque Você Deve Aceitar as Diferenças Dos Outros?

Se os preconceitos são tão naturais, por que devemos nos esforçar para aceitar as diferenças das pessoas? Existem muitas razões, mas algumas das mais prevalentes se resumem a um fato simples.

Nossas sociedades estão ficando mais multiculturais e diversas. É sempre o indivíduo que precisa se adaptar às mudanças do ambiente, e não o contrário. Carregar o fardo dos preconceitos e tentar dobrar as pessoas à sua vontade em um mundo diverso pode ser cansativo e frustrante, enquanto aprender a aceitar diferenças pode ampliar seus horizontes e trazer novos amigos.

No trabalho, ocasionalmente colido com meus colegas. Embora eu tenha uma abordagem mais suave e mais branda ao aconselhamento e ao ensino, alguns professores são rigorosos e inflexíveis. Embora eu dependa de vídeos e modelos 3D para explicar conceitos psicológicos, alguns de meus colegas acreditam firmemente em canetas e papéis e anotações longas.

E tudo bem, porque nenhum de nós está certo ou errado. Enquanto alguns alunos preferem minha abordagem, outros acham as regras estritas mais úteis. Uma equipe diversificada significa que todo aluno pode encontrar alguém com quem "clica".

Nosso mundo está em constante evolução e nossos padrões mentais podem - e devem - evoluir com ele.

Como Começar a Aceitar os Outros Por Quem Eles São?

Então, como você aceita o fato de que seu colega de quarto gosta de rock enquanto você curte sertanejo e outras diferenças individuais?

Aqui estão cinco dicas simples para praticar tolerância e aceitação:

Verifique Seus Preconceitos

Embora tome consciência deles, não os apague imediatamente, mas perceber onde estão seus preconceitos é o primeiro passo para combatê-los.

Lembre-se, embora os preconceitos sejam quase sempre negativos, os estereótipos podem ser positivos e negativos. Mas mesmo os estereótipos positivos podem ser prejudiciais. Por exemplo, pensar que todos os asiáticos são inteligentes ou que todas as mulheres são educadoras pode parecer um elogio, mas apaga as diferenças individuais dentro desses grupos.

Portanto, quando você julgar alguém, verifique porque está julgando.

Concentre-se na Pessoa, Não na Descrição

Embora as características descritivas sejam úteis para descrever as pessoas, elas nunca podem fornecer a imagem completa.

As pessoas são maiores que a soma de suas partes. Por exemplo, alguém pode ser uma adolescente que gosta de Euforia e TikTok, mas isso definitivamente não é tudo o que ela é. Tente olhar além dos descritivos e se concentrar no indivíduo.

Desista do (necessário) Controle

A única pessoa que você pode mudar e controlar é você mesma. Lembre-se da próxima vez que se sentir frustrado por causa do comportamento ou das opiniões de alguém.

Isso não significa que você deve aceitar todo e qualquer comportamento, mesmo quando ele estiver causando desconforto. Apontar educadamente comportamentos inaceitáveis ​​é sempre incentivado, mas reserve um momento para considerar por que você considera esse comportamento inaceitável.

Coloque-se no Lugar da Outra Pessoa

Muitas vezes, nossa incapacidade de aceitar as diferenças de alguém vem da nossa incapacidade de entendê-las. Mas e se você tentasse se colocar no lugar da outra pessoa e entender o que as faz funcionar?

As chances são de que, se você abordar outras pessoas com empatia, também achará mais fácil aceitá-las.

Não Critique Até Experimentar

Algum tempo atrás, um amigo tentou me fazer ir à academia com ele para tentar levantar peso. Eu resisti, porque "pesos não são minha praia". Também não entendi o que ele podia ver ao levantar uma barra e colocá-la novamente várias vezes seguidas.

Eventualmente, eu desisti e fui junto. Minha primeira incursão na sala de musculação não foi um sucesso, mas depois de algumas vezes, finalmente pude ver o apelo.

Experimente os hobbies de outras pessoas para entender por que elas gostam deles. Ou, pelo menos, não critique até experimentar.

Concluindo

A individualidade é frequentemente valorizada, mas, ao mesmo tempo, achamos difícil aceitar que as pessoas são diferentes. É natural desconfiar das diferenças, mas isso não significa que não devemos tentar combater nossos preconceitos, especialmente no mundo diverso de hoje. Demora e dá um pouco de trabalho, mas com algumas dicas simples, você pode aprender a aceitar melhor as diferenças.

Postar Comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem